Google+ Confraria do Bruxo: Junho 2013

quinta-feira, 27 de junho de 2013

NINGUÉM DÁ O QUE NÃO TEM


Ninguém dá o que não tem, para você fazer um trabalho espiritual e necessário estar 100% saudável física e mentalmente, nos deparamos com a problemática humana, mazelas de amor, raiva, rancor, ciúme inveja etc... Se o médium mesmo inconsciente também mantém este padrão de vibração como vai poder auxiliar esse irmão que busca auxílio para tratar ou retirar esse problema? Não posso dar amor se não vivo esse amor, nem mesmo dar vibração positiva se sou negativo internamente. Esclareço aqui que nenhuma alma está livre de sentimentos baixos, mas o médium tem que exercer domínio sobre estes vícios, quer sejam físicos ou psíquicos que ele mesmo trás para evoluir e perdê-los, para então sim poder auxiliar as pessoas que procuram seus auxiliadores, quando em transe mediúnica, para que realmente haja manifestação somente da energia espiritual e não o atropelo da mente do médium expondo coisas que são desnecessárias ao crescimento e auxilio do irmão em tratamento, dos próprios médiuns, e do espírito que está ali trabalhando. 

Vejamos então a importância da doutrinação do médium para realmente poder auxiliar como canal e não como impositor da misturança de suas ideias e verdades e da energia que acompanha este médium. Um médium doente de sentimento deve ser afastado do trabalho de auxilio, pois neste momento ele precisa ser ajudado e curado, para novamente poder trabalhar como canal. Tente assistir um programa de rádio ou televisão em um canal que não esteja bem sintonizado, a imagem e o som são péssimos e muitas vezes impossíveis de ver ou entender algo, resumidamente é assim com um médium doente. Por isso vamos exercer essa mediunidade como canal puro, livre das mazelas humanas, vamos nos preparar, limparmo-nos de maneira a irmos realmente com a vontade pura de servir por servir, de auxiliar, vamos nos perdoar e nos amar para daí sim poder dar o que se busca nestes locais de ajuda e aconselhamento.

Caboclo Aymoré

Abraços Fraternos,
Bruxo Branco

quinta-feira, 20 de junho de 2013

Verdades do Passe Espiritual e Magnético!

Prezados irmãos, não se iludam!
Passe é terapia de superfície, alívio momentâneo e até duradouro, mas não definitivo.
Não atinge as causas, embora em muitos casos de fé positiva e merecimento consiga operar curas de enfermidades graves.

Os passes são como transfusões de força psíquica em que energias espirituais fluem dos mensageiros de Cristo para os doadores e beneficiários, é a continuidade do esforço do Mestre para aliviar os sofrimentos do mundo. Isto é passar energia de um para o outro.
As energias doadas através do passe podem ser colhidas da energia da natureza: vegetal, animal, mineral, hominal e de fluidos do plano espiritual.

No “Passe Espírita” o médium manipula estes fluidos por meio de técnicas que foram se desenvolvendo com o tempo. Aqui no Brasil devemos, principalmente, a Bezerra de Menezes e Edgard Armond, o método já consagrado e largamente utilizado em boa parte dos “Centros Espíritas”. A realização destes passes é feita por qualquer pessoa de boa vontade que tenha estudado o método, para algumas situações, no entanto é necessário certa sensibilidade ou Don mediúnico. A maioria dos métodos é explicada por uma corrente de energia/magnetismo e fluidos que estabelecem um circuito de forças entre “operador passista” e consulente.

“Quando o Espírito é de elevada categoria, possui grande poder curativo, muito diferente e muito melhor que o que possui o magnetizador encarnado.” 
Edgard Armond [1]

O “Passe Umbandista” não é apenas um “passe magnético” ou material e sim um “Passe Espiritual”, aplicado por um espírito. Assim como Edgard Armond classificou diferentes métodos de aplicação do Passe Magnético para diferentes necessidades, também os espíritos que se manifestam na Umbanda aplicam métodos variados de acordo com a necessidade de cada consulente, dentro dos variados recursos que cada espírito guia entidade/mentor, possui. Sem esquecer que cada um recebe na medida de seu merecimento e afinidade, podendo um encarnado bloquear uma ação positiva direcionada a ele mesmo como conseqüência de sua postura mental. Pois muitos merecem, mas não estão abertos emocionalmente ou psicologicamente para receber o que a espiritualidade lhe oferece, por vários motivos como descrença, irritação, mentalidade critica e posturas interesseiras desfocadas de um objetivo espiritual. 

“Porém, enquanto nos centros espíritas usa-se o passe magnético, nos centros de Umbanda também se recorre aos passes energéticos, quando são usados diversos materiais (fumo, água, ervas, pedras ou colares, etc.) que descarregam os acúmulos negativos alojados nesses campos eletro-magnéticos... Nem sempre o que parece folclore ou exibicionismo realmente o é. Se os mentores dos médiuns de Umbanda exigem determinados colares de pedras, eles sabem para que servem e dominam seu magnetismo, assim como as energias minerais cristalinas irradiadas pelas pedras. Ervas e fumo, quando potencializadas com energias etéreas pelos mentores, também se tornam poderosos limpadores de campos eletromagnéticos.”
Rubens Saraceni [2]

A finalidade é de alcançar maior êxito de acordo com as necessidades, o merecimento e os recursos disponíveis. Cada entidade tem a liberdade de aplicar a técnica que lhe aprouver, desde que dentro dos limites de ética, bom senso e respeito. Embora haja um conjunto de métodos e recursos característicos da Umbanda. Muitas entidades, em especial os pretos velhos, por exemplo, realizam o benzimento, que se distingue do “Passe Magnético”, por empregar uma ação mais relacionada ao poder do verbo . Também é possível identificar métodos complexos de Magia Riscada (Magia de Pemba), abrindo espaços mágicos (Pontos Riscados) .

As causas de nossas perturbações residem em nós mesmos, nas inferioridades morais que todos temos.
Por isso, muito mais importante que o passe é o esforço por esclarecer-se.
Esclarecidos, seremos defensores pessoais de nós mesmos. Saberemos defender a própria saúde, física e espiritual.

As perturbações de ordem espiritual a influência de espíritos ou sua presença incômoda é de nossa própria responsabilidade. Somos nós que lhes permitimos se aproximarem de nós.
Quando sentimos ódio, revolta, inconformação, inveja, ciúme ou outros sentimentos mesquinhos, verdadeiramente escancaramos nossas defesas espirituais e os espíritos infelizes encontram livre acesso para nos perturbar.

Conclui-se em breve raciocínio que NÃO ADIANTA viver recebendo passe e NÃO MELHORAR o comportamento.

E isto se compreende de maneira muito ampla quando se estuda.
Nossa preferência deve ser de procurar antes reuniões de estudos, palestras, estudo dos livros, para conhecer com profundidade as causas das enfermidades e perturbações.

É comum encontrar-se o Centro cheio em dia de passe, reduzido, porém, em dia de estudos ou nas palestras doutrinárias.
Ora, isto é um equívoco tremendo. Valoriza-se demasiadamente a tarefa mediúnica dos passes espirituais e energéticos, em detrimento do que o Espiritismo e o Umbandismo possuem de mais belo - o seu conteúdo doutrinário.
Este sim precisa receber prioridade dos dirigentes espíritas e umbandistas para levá-lo ao conhecimento do público e também receber nossa preferência, quando frequentadores dos Centros.

O estudo espírita e umbandista são altamente terapêuticos e preventivos. Abrem a mente, esclarecem o raciocínio. Mas, aqui também, não se iluda, o estudo requer perseverança, continuidade, interesse... 
A doutrina possui material de estudo e reflexão para a vida toda.

O passe é importante? Claro que sim! Muito importante. Mas é tarefa e recurso secundário.
Somente o estudo ensina a pessoa a auto defender-se. O conhecimento deve ser a nossa meta.
As doutrinas de Kardec e tantos outros livros da doutrina espírita e umbandista não foram feitos para ficarem nas estantes e sim para serem lidos e conhecidos pelo homem.
Desprezá-los demonstra desconhecimento da grave responsabilidade de que estamos investidos e também total desconsideração ao público que pretensamente julgamos atender.

Muito mais poderíamos escrever sobre os “Passes Espirituais e Magnéticos” na Umbanda e Espiritismo, seus recursos e benefícios, no entanto este artigo é apenas para conscientizar de que a leitura das doutrinas muitas vezes são mais importantes que o próprio passe.

Abraços Fraternos,
Bruxo Branco!

Fontes:
[1] Edgard Armond. Passes e Radiações: Métodos Espíritas de Cura. São Paulo: Ed. Aliança, 1997.
[2] Rubens Saraceni. Código de Umbanda. São Paulo: Ed. Madras, 2006.